Weyland-Yutani

A construção de mundos melhores deve partir de Nós mesmos.

Desbravadores de Novos Mundos

A Weyland-Yutani foi a maior empresa do planeta Terra de sua época. Os seus objetivos eram, constantemente, expandir sua influência e descobrir novos mundos além da atmosfera terrestre. Um empresa desbravadora e exploradora, buscava novos horizontes,  sempre utilizando uma rede global incomparável de recursos tecnológicos e científicos para a construção de mundos melhores.

O veículo RT01 pode transportar até 20 pessoas e excelente para terrenos hostis.

Localização e Colonização

Seu quartel-general está localizado em San Francisco, na Califórnia, mas marca presença em 160 países e 63 colônias fora-da-Terra. Tem cerca de 837.43 milhões de funcionários e sua principal mão-de-obra são: biólogos, cientistas militares, engenheiros químicos, geólogos, mecânicos e pilotos aeroespaciais.

Sede da corporação é mostrada no filme Alien vs. Predador.

A medida que avançavam no trabalho, novos mundos eram descobertos, assim como o aumento dos recursos naturais, criação de novas indústrias, invenções de novos meios de transporte e de avanços na medicina.

Fiorina 161, planeta colonizado e presente no filme Alien³.

A corporação está presente nos segmentos de saúde, de meios de transporte, de energia, de eletrônicos, de terra-formação, de segurança e de cibernética. Para exploração de planetas, é necessário coloniza-los com terra-formação e imigração em massa dos familiares daqueles que forem trabalhar nesses setores.

Criança brincando dentro da base do planeta colonizado LV-426.

O Visionário

A essência pelo desconhecido e a curiosidade aplicada em exploração de novos mundos surgiram desde a sua fundação. Sir Peter Weyland (Guy Pearce) é o fundador, um CEO ambicioso e muito egocêntrico, que acreditava raça humana era um projeto abandonado pelos deuses e tinha como objetivo pessoal “se encontrar com esses deuses” e, consequentemente, buscar a própria imortalidade e se tornar um deus.

Trabalhou incansavelmente com intuito de melhorar o mundo, seja lá o que isso significa. Acreditava em divindades e que a natureza tem o propósito de servir a humanidade e que devemos adquirir tudo que ela oferece para construir um mundo melhor.

Charles Bishop Weyland (Lance Henriksen) já foi considerado o fundador da corporação nos cinemas até o lançamento do filme Prometheus.

Após 50 anos bem-sucedido no Sistema Solar, Sir Peter anunciou o Projeto Prometheus (mesmo nome do titã Prometeu da mitologia grega, que capturou o fogo dos deuses e levou até os humanos) para se encontrar com as divindades responsáveis pela criação da humanidade.

Tecnologias desenvolvidas para o Projeto Prometheus.

A Fusão Corporativa

Em 12 dezembro de 2029, a japonesa Yutani Corporation entrou com uma ação contra a britânica Weyland Industries sobre a disputa de patentes com a série de David. A britânica não só ganhou a disputa, como adquiriu a corporação concorrente e lançando a Weyland Corp.

Ambas empresas tinham os ideais parecidos e o casamento foi um sucesso. Foi lançada a unidade robótica David 8 (Michael Fassbender), cuja capacidade de curiosidade era bem parecida com a humana, mas com níveis de aprendizado e racionalidade acima do normal.

Leia também! Tyrell Corp

Conheça o Walter

A mais nova versão das unidades David possui outro nome, Walter. O androide é mais sociável, emocionalmente inteligente e sarcástico, mas continua curioso e  inteligente. Fabricado pela Weyland-Yutani Corp em parceria com a AMD (product placement).

Exploradores

No ano de 2089, uma equipe de especialistas partem para o espaço sideral com intenção de seguir um mapa galático que os levaria até os “deuses”.

Nave de exploração USCSS Prometheus de classe Heliades.

A tripulação contava com próprio Sir Peter, sua filha, vice-CEO e chefe da missão Meredith Vickers, com o renomado capitão Idris Janek, a arqueóloga Elizabeth Shaw que descobriu o mapa galático, seu parceiro e os maiores especialistas em geologia, biologia, medicina, mecânica e entre outras áreas importantes para a missão.

Elizabeth Shaw (Noomi Rapace) e Idris Janek (Idris Elba).

O vídeo abaixo é quando Elizabeth Shaw é entrevistada pelo polígrafo Quiet Eye da Yutani, solicitando a sua participação no Projeto Prometheus.

Continuidade

Não há data de quando a Weyland Corp se tornou Weyland-Yutani Corp, mas foi após o fracasso da missão do Projeto Prometheus, cujo fundador e sua filha foram dados como mortos. A morte de ambos fortaleceu os acionistas da corporação japonesa dentro do grupo.

Cartão de visitas do Carter Burke, diretor de projetos especiais.

O filme Alien, o Oitavo Passageiro se passa anos mais tarde depois do prelúdio Prometheus e sua trama é sobre o resgate de uma nave desaparecida realizada pela tripulação do cargueiro estelar USCSS Nostromo, um Lockheed Martin CM-88B de classe Juggernaut.

As empresas Lockheed Martin, Northrop Grumman, Boeing, BAE Systems realmente existem e são concorrentes entre si no ramo aeroespacial e defesa, todas foram foram adquiridas na ficção pela Weyland-Yutani.

Insígna da Nostromo presente nas roupas de seus tripulantes e como easter egg no filme Assassinato por Encomenda.

Assim como a Lockheed Martin outra empresa fazendo product placement, a Caterpillar, fabricante de máquinas, motores e veículos pesados voltados principalmente para construção civil e mineração.

Caterpillar P-5000 Work Loader no filme Aliens, o Resgate.

Crítica Social

A Weyland-Yutani Corporation é uma empresa arrogante que fará de tudo para sempre lucrar mais e exercer maior poder sobre os outros. É uma personificação das empresas reais que realizam a exploração dos recursos naturais e que não analisam ou se importam com as consequências de seus atos.

Também representa o avanço científico sem moralidade, sem controle e sem fiscalização. As unidades robóticas são programadas para ter interpretação própria e controlar as situações de risco, mesmo que seja necessário espionar e realizar experimentos nos tripulantes humanos para atingir os objetivos da missão.

Apesar de percalços no caminho como acidentes e mortes ocasionadas pelas missões, a exploração especial deve continuar e se houver novas ameaças, deverá haver sempre uma equipe de prontidão para atender ou substituir aquela que não executou as missões.

Insígnia da nave de exploração USCSS Covenant.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar